segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

"A" noite



No tapete voador,
Que cabia dois seres,
Dois cabides,
Um único amor cabível.

Sem problemas em comparar...
...um colchão, num tapete,
E voar,
Ao invés de se tocar.

Próximo ao sol,
Bem perto de um vulcão,
Quentes e suados,
Seguíamos um em cima do outro.

Problema nenhum em comparar...
...o calor do sol com nossos corpos,
E o vulcão...
...e nossa erupção.

Em plena sinfonia,
A nossa sintonia,
E na delicadeza da minha língua e voz,
Aos seus ouvidos.

Despreocupado em comparar,
Vozes de ópera,
Com nossos sussurros,
E o maestro regente,
O amor.

Como num show acústico,
Minhas mãos a dedilhar o violão,
Descobrindo cada parte,
Intocada do teu corpo.

Querem saber o resto?
Perguntem para as estrelas.
Pois dormimos nas nuvens,
Para confessar no céu. 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Normal



Eu sempre espero o momento,
De ser engolido,
Por alguém desse tempo,
Desse tempo perdido.

Durante alguns minutos eu brigo,
Em algumas horas eu choro,
E no resto dos dias,
Eu silencio.

E nesse casulo,
Tão forte quanto uma rocha,
Concordo com tudo,
E finjo um lindo conformismo.

Algumas pessoas,
Coitadas,
Tentam entender o trovador,
Mas não entendem.

E muitas vezes,
Cortam este poeta ao meio,
Com uma espada,
Da dinastia Ming.

O segredo
É Viver,
Aproveitar os segundos de compreensão,
E tentar acreditar em momentos de cumplicidade.

Eu crio muitas expectativas,
No dom da solidão,
Que me entende,
E me cativa.

Então,
Ansiosamente, esperar um tsunami,
Pra surfar pela última vez,
De novo.





quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Psicologicamente afetado.


São só fatos falados.

Num passado,no presente,
E segue no futuro.

Loucura é achar,
Que alguma louca ou louco,
Seguirá meu raciocínio insano.

Sozinho,
Somente só,
Tentando enlouquecer minha sombra,
Para que ela não me deixe.

Esse mundo de mesmices é engraçado,
É como um filme inédito,
Na sessão da tarde,
De uma lagoa azul.

Os normais dizem sentir saudades,
Os loucos se vestem de ausência,
E fingimos enxergar,
No que um rivotril ajudaria.

Poderia até continuar a escrever,
Mas tenho remédios a tomar,
E seguir minha doçura ou travessura,
Quem sabe me dopar,
E por fim,acreditar.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Aurora e Boreal



Eu que nunca vi a aurora boreal,
Porém,
Tenho plena convicção,
No meu encantamento especial.

Talvez,
Meus pensamentos estejam espaciais,
Por sonhar por alguém,
Que eu nunca vi.

Sabe-se em jornais,
A beleza da aurora.
E nos seus retratos,
Seus cabelos amarrados,
Pra mim são as mais belas floras.

Avalanches eu também não vi,
Mas você com raiva deve ser,
Só não tenho mais pavor,
Do que suas passadas mágoas.
Tenho mágoa de mágoas.

Entao.
Estou partindo pro Alasca,
Pra ver esse fenômeno da natureza,
E vou partir pra perto de você também,
Para os meus olhos terem  mais certeza.


Você me espera?
Até porque,
Te esperei por décadas.
____________________________



quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Seguir o vento.




Que horas são?
Hora de dormir,
Ao lado do,
Meu travesseiro.

Acordei
Então toquei,
No despertador,
Que estava ao meu lado.

Fiz meu café,
Coloquei na minha xícara amarela,
E distraído,
Derramei sobre ela,
E foi café em cima da cadeira velha.

Fui caminhar,
Leve chuva a me molhar,
E uma capa só pra te proteger,
Proteger minha mão gélida.
E você leitor,esperaria que fosse o que?

Eu poderia até fazer meus cabelos crescerem,
Ir pra janela,
Esperar pela minha Roméia,
Mesmo que isto sendo,
Uma péssima ideia.

Fiquei animado,
Pois chegou no correio,
Minha carta,
Escrita por mim, e entregue...
A mim.

Certo,admito.
Não recebo ligações,
Não recebo mensagens,
Não recebo declarações,
Nem uma arranhada canção.

Não tem nada demais.
Não tem nada de menos,
Não tem alguém,
Não tem,
E até tem,
Minha sombra,meu insistente sorriso, e um amém.









Lâmpadas queimadas.


Você alguma vez já ficou descrente,
E achando tudo uma verdadeira mentira?
Então você está como eu.

Tristeza de partir,
Desse ponto de ônibus.
Mas não creio mais na chegada do meu transporte,
E por que esperar o que não vai chegar?

A tristeza existe,
Ela aparece,
Mas não devemos fazer morada dela.

É como viajar,
Desaparecer,
Ir pra oura dimensão,
Silenciar.

E na hora da raiva,
Você profere duras palavras,
Tão duras quanto à vida,
A vida que não é sua e da sua amada.

E aí você vê fotos,momentos,
Os quais você não está inserido
Tão triste,
Como não ir ao parque,
Por estar de castigo.

Que seja!
O que foi dito, foi dito,
E nas entrelinhas de um adeus,
Eu posso dizer,
Vejo você em breve,
Aqui,
Ou no paraíso do seu...
céu.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Suficiente.








Semelhante,
A um dedilhar no violão,
Meus dedos percorrem sua pele,
Branca como a neve.
Puramente limpa,
 e ardente,
Como um vulcão.



Seios macios,
Em uma serenata com meus lábios,
E as horas passando,
Por uma vida inteira.

E meus beijos,
Que descansam em todo o seu corpo,
Milímetro por milímetro.

Estamos sós,
E já são 9 da manhã,
Nem dormimos e já demos bom dia.

Um rádio antigo,
Tocando uma canção de Los Hermanos,
E nosso desejo,
Em não sair da cama,
Dos nossos lençóis,
Dos nossos sussurros.

A delicadeza de gestos,
Em  ver seus cabelos negros,
Deitados no meu peito,
Fazendo-me sentir de fato,
Como um Deus grego.

E voltei a estar dentro,
Descobrindo realmente,
Que não se trata de fazer amor,
E sim,
Percorrer de marte a plutão.

E eu que pensei que Cazuza era um louco,
Acabei sendo da donzela,
Seu pão,sua comida,o lanche e o almoço.

Ah!Minha menina,
Pode descansar agora,
E se fizer frio,
Vou te cobrir,
E se o lençol rasgar,
Meu corpo fará,
Você descongelar.

Tão nova,
Tão sublime,
Que só depois percebi,
Que meses depois,
Éramos três.



sábado, 8 de setembro de 2012

Casa verde


Volte do interior,
Volte pro meu interior,
Volte pra casa verde,
Deixe meus sonhos verdes.

Notei,
Averiguei,
Confirmei,
Que você muita falta faz.

Em meio a insanidades que aparecem,
Uma infantil metida e madura,
Outra infantil bancando de amiga sua,
E um beijo na presença de uma bela lua.

Mas não se preocupe,
Sou eu mesmo,
Esperando com o carro parado,
Pronto pra estar com você,
Na frente de um portão branco.

Eu não venho prometer nada,
Mas mesmos que a oposição diga que você vai cair,
Eu confirmo que talvez você caía,
Nos meus braços,
E nos mesmos lençóis.

Tento fazer de importante,
A opinião das pessoas,
Mas só o fato de você existir,
Esconde os fardos que existem.

Há quem não goste da segunda-feira,
Eu particularmente espero ela chegar,
Com o sinal verde.

Já escrevi versos mais extensos.
Confessos que estes foram o mais simples descritos,
Simples como duas pessoas especiais se conheceram,
Você e eu.


terça-feira, 21 de agosto de 2012

Versos sambados.



Noiteando,
E meus versos...
Quem diria...
Pagodeando.

Um sambinha aqui,
Um encantamento ali,
E a frase que não saiu da minha cabeça...
“A pessoa que mexe comigo é você.”

E é diante disso,
Do proibido,
Do desinibido,
E do químico.

Vai  tocando o pandeiro,
E deu uma louca no poeta,
Que samba pela donzela
Meio desengonçado,claro.

No surdo,
Que seus lábios  me deixam,
Mais surdo ainda,
De prazer.

E fui no pagode,
No pixotear,
No modernismo,
De um trovador feliz.

Talvez eu nem tenha as vestes adequadas,
Numa noite um tanto diferente,
Acredito que nem estou sabendo me expressar,
Diante do inusitado e desconhecido.

Os tempos atuais nem são tão ruins,
Basta saber dançar,
Saber pagodear,
E comigo você a noite toda,
Rimar,rimar e rimar.

Minha amiga diria:
Poeta,tu não te ajeitas?
Minha querida,
Meus versos são momentos,
E os momentos são de um bom e velho samba.

É aproveitar e girar a moça no salão,
Caprichar nos versos,
Que chegarão pisoteando a tristeza.
Desse jeitinho,ou não.

E nem me pergunte o porquê dos versos,
Chegaram sambando,
E cheios de alegria.
De onde vem é o de menos,
O que importa,
É pra onde me levarão.

sábado, 18 de agosto de 2012

31 de fevereiro de um ano bissexto.


Uma lógica meteórica,
Infundado numa retórica,
De um trovador melódico,
Possivelmente impossível.

Eu não nasci,
Preste atenção,
Eu não nasci,
Pra ser teu segundo,terceiro ou décimo sexto amor.

Tu já amastes alguém?
Volte pro moço então.
Pois o que te escreve,
Não faz questão de ser o próximo.

Não,meu anjo.
Não sou um louco.
É apenas exagero.
Exagero de um coração que se guarda,
E para o amor se prepara,
Há muito tempo...

E se já ouvi,
A irritante contínua confirmação
Que outro no passado,
Foi dono do teu coração.
Assim sendo...

Passar bem!
A cadeira vazia ao meu lado no cinema,
Espera-me ansiosamente.
E assim viverá o trovador,
Sem primaveras.

Dizem os modernos,
Que morrerei só.
Nem acho!
Pelo menos a solidão,
Será meu primeiro e único amor.

E eu irei me apaixonar,
No dia 31 de fevereiro de um ano bissexto.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O adeus do que não chegou.



Diga as últimas palavras,
Antes de eu ir,sim.
Lave as mãos,
Com suas próprias lágrimas.

Intermináveis horas fiquei a pensar,
Tentando,
Inflamando,
Infeccionando.

Mudanças que não vieram,
Com o tempo
E com suas mudanças.

Só quero ir,
Não olhar pra traz,
Segurar nos braços do vento,
Que me leva daqui.

Talvez você não me entenda,
Ou você realmente não escute,
As batidas tristes,
De um coração em devaneio.

Acredito que não me reconheças mais.
Terei várias faces,
Mas todas só mostrarão,
3 horas da tarde,
De um verão comum.

O meu desespero,
Deixo para meu travesseiro,
Que entende meu choro,
E não me acha louco.

Os dias vão passar,
Se vão.
Só que não.

Sou desses,
Que se arrepende,
Mesmo depois de ter enterrado,
Tudo que sentia,
Num abismo.

Partir é mais fácil,
Do que enganar a si mesmo.
E eu me enganarei,
Por muito tempo.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

O alpinista da fé.



Era uma vez uma montanha,
Verdadeiramente alta,
E evidentemente,
Poucos se aventuravam.

Aos pés dela,
Amigos, diversão,
Uma festa,
Uma só alegria.

Mas e eu?
Eu não estava feliz.
Faltava-me algo.

Olhei fixamente para todo aquele relevo,
Aquela altura, que mal se podia ver seu cume.
Pensei: Vou escalar.

Algum dos meus amigos, irá comigo?
Ninguém me olhou.
Algumas risadas, alguns desdéns,
Estavam um pouco ocupados,
Ou enfadados,
Com a minha idéia.

Decidi levar quem aceitou ir comigo,
Meu terço e minha bíblia.

Então comecei...
E quanto mais eu subia
Menos conseguia ver quem ficou,
E de longe ainda dava pra ouvir o barulho,
Que aos poucos silenciou.

Comecei a me sentir só.
Mas notei,que a cada vez que eu caminhava,
Deparava-me com diversos animais,
E uma beleza de flores e árvores que me observava.

Cada folha que caía sobre mim,
Tinha seu nome misteriosamente desenhado,
E eram muitas...

Perdão, amor, fé, sinceridade,
Valorizar o próximo, fraternidade,
Ser leal, amigo e afetividade.

Eram tantas,
De diversos significados,
Confesso, outrora não conhecia,
Seu tamanho, sua forma, sua beleza,
Sua sincronia.

Tive cansaço, resolvi parar.
Senti falta do mundo que conheci,
E então resolvi descer.
Mas,antes de descer,
Olhei pro céu e rezei.

Meu Deus e agora?
E ele fez interceder,
E eu parei de esmorecer.

E então me fez reerguer.
Voltei a subir,
Com toda a fé que eu tinha,
Pouca talvez, mas era o que eu tinha.

Novamente ouvi sons,
Com notas musicais um tanto incomuns.
Eram pássaros,
Marcando meus passos,
Junto comigo,
Com seus assobios,
Cantando sem cessar.

Já não me sentia tão só,
E agora,
 enfim cheguei,
Apenas no meio da íngreme montanha.

Uma breve leitura bíblica,
Um salmo, um provérbio,
Evangelho de Lucas, de João,
Palpitaram meu coração,
Lançando força,
Para continuar.

E então segui.
Começou a chover,
Forte,intenso,
quase impossível continuar.

Nos meus bolsos encharcados,
Meu terço,
Nossa Senhora, mãe...

Fez-me entender
 Que a chuva não venha a dificultar,
Difícil eram meus pecados não serem lavados,
Purificados, e meu ser, renovado.

Sim...
Muito aprendi, muito tenho a aprender,
A escalada continua.
E por mais longe e distante que parece ser o topo,
Sei que chego lá.

Talvez só por nós mesmos,
Muito seja difícil conseguir,
Mas com Deus o pouco se torna muito,
O fraco  se torna resistente,
O descrente se torna confiante.

E com a graça de Deus,
Irei persistir,
Na chuva, no cansaço,
No desânimo...

Talvez meu corpo caia,
E se cair, que seja de joelhos.

Muitos zombaram e vão zombar,
Muitos disseram que eu  morreria antes de chegar na metade,
Mas o senhor me guiou, e me guiará.

Lutei, lutarei,e hei sempre de lutar.
E a minha verdadeira história
Será exaltada na glória.





sexta-feira, 13 de julho de 2012

O frio,a chuva e nós.



E esse frio?
E essa chuva?
E minha companhia?
E a tua que lê estes versos?

É,estamos na mesma situação.
Talvez,tu que lê,
Quer-me o tanto quanto te quero,
Mas enquanto escrevo pensando em você,
Você lê pensando em mim.

Uma noite bela a dois,
Enquanto muitos a dois não se satisfazem.
E nós?O que será de nós?

A solução seria...
Cair na gandaia?
Beber?
Procurar amigos?

Não,vamos fazer assim.
Fecha seus olhos daí,
Que eu fecho os meus daqui.

Vamos pedir para que Deus nos una.
E enquanto a chuva cai,
Que os pingos limpem todas as mágoas do passado,
Então  limpos,molhados e amados,
Amar-nos-emos.

Quem sabe,
Não saímos juntos sem destino certo?
Pegamos um guarda-chuva...
...O menor, e caminharemos bem juntos.

Mas sabemos que não estamos juntos,
Então eu...

...escuto o barulho da chuva,
Escuto tua voz no telefone,
Escuto meu coração bater,
E escuto Deus dizer,
Por esses dias vocês irão sobreviver.

Porque o que é nosso,
Está bem guardado,
Nas chuvas e frio,
E até na neve.

Falta criatividade pra continuar,
Pois o resto dos versos está deitado ao meu lado na cama.
Seu lugar,você.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

O abraço



Sim!Ganhei um abraço e um sorriso.
E meu coração ganhou uma batida mais forte.
Meu sorriso ficou mais largo.
Meus versos tiveram mais sentimento.
Meu corpo está medindo 40 graus.
Meus passos estão mais lentos.
Meu olhar mais atencioso.
Meu olfato mais delicado.
Minha pele mais limpa.
Minha serotonina mais liberada.
Minhas aulas mais empolgadas.
Minhas piadas mais engraçadas.
Meu poço com mais molas.
Minha quedas com mais colchões.
Minhas feridas com mais Neomicina.
Meus lábios mais sedentos.
Meus neurônios mais apaixonados.
Meu vazio mais preenchido.
Minha tristeza mais derrotada.
Meu pensamento mais você.
Minha vida mais você.

E você,me deu outro abraço.
E tudo recomeçou.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Gosto de quem gosta mais do que gostar.


E então vem aquela linda declaração de amor,
Naturalmente,sem ser olhando nos olhos,
Tú proferes a famosa frase: - Eu gosto de você.

Sim,claro.
Ajudada pela boa e velha gramática,
Tu acrescentas conhecidos advérbios,
Do tipo: bastante, muito,
Como se isso fosse tirar todo o meu tédio.

Tédio de “gostares”.
Porque gostar é passageiro,
Passa e passa ligeiro.

Enquanto a donzela,
Fica no belo e limitado gostar,
O bom trovador espera, espera...
Espera, a maré desce,a maré sobe,
E ele esperando pela famosa paixão ou amor.

Até que ele muda,
Ou decide ir embora,
E então a fofinha não vai entender.

Ah!Mas o amor vem,
Infelizmente o pneu da carroça que traz,
Furou.Mas vem!

Uma boa dica...
Pega o seu sentimento gostar,
E Enfia no centro do seu...
Pensamento.
Enfiou?
Agora tira a nádega da cadeira,
E vá me ver,
Com a rosa de plástico mais linda que você encontrar no seu jardim.

E se declare, se arrisque, se jogue.
E tenha certeza,
Que nessa loucura,
Só nós entenderemos.

Pra quem só gosta,
Enfim.
Pra quem tem algo a mais,
Não terá fim.
Criou coragem ou ficará parada e dura,
Feito um marfim?

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Levitando...



E eu estou flutuando,
Voando,
E logicamente,
Meus pés estão longe do chão.

Deus me deu um dom,
De escrever,
De imaginar,
De idelizar,
E de te trazer pra perto de mim,
Em cada milésimo de pensamento.

Aqui Estou eu,
Num dia chuvoso,
Armando uma rede,
Trazendo um bom vinho e dois copos.

Fico pensando qual filme você gostaria de assistir,
Um suspense,
Ou um romântico,
Semelhante ao nosso amor.

Fui ao jardim da casa,
E me perguntei,
Qual flor,
Encaixar-se-ia perfeitamente,
No deslizar das suas costas?

Onde estão meus medicamentos?
Caso você adoeça,
Quero cuidar de você.
E se você perder os cabelos,
Na enfermidade te acompanharei,
E rasparei os meus.

Lembrei que lá fora chove,
Vou tirar minha camisa,
Levar aquele banho de chuva,
Pegar talvez uma pneumonia,
Mas ter a certeza que na minha companhia,
Você estará bem acolhida.

Ao terminar os versos,
Deparei-me com eu sozinho no quarto.
Tristeza?
Não, talvez você esteja voando comigo,
No lugar onde você está.

sábado, 30 de junho de 2012

Rendição







Imagina só!
Você sendo a FBI e eu um perigoso criminoso.
Fugir?
Não,me prenda!

Sim,estou me entregando.
Como eu achei que um dia tivesse feito,
Mas na verdade nunca fiz,
Pois cansei de fugir,
E sua sentença,
Eu quero cumprir.

Meu crime é inafiançável,
Não tem tempo de soltura,
É uma prisão perpétua,
E enquanto eu respirar,
Estarei preso...
A você.

Não hesite,
Não demore,
Por favor,eu imploro,
Não deixe eu desaparecer.

Vasculhe minha vida,
Me persiga,
Me conquiste,
Me cerque,me domine.
Me sufoque com suas pernas.

Use uma camisa de força.
Sim,melhor assim.
Pois enlouqueci,
Perdidamente apaixonado e louco,
Por você,pela minha rendição,
Pelo meu futuro.

Acho justa a detenção.
Acho justo ser você,
Acho justo isso não ter fim.

E não me fale que filmes de amor,
Não tem final feliz.
Isso é apenas um policial,
E eu sou um meliante,
Capturado pelo seu amor.

Você venceu,
E eu...
Serei seu.
Vai esperar quanto tempo ainda?

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Asfalto



E eu vou logo avisando,
Não me entendeu,
Obrigado por ser mais uma.

Século errado?
Tenha plena convicção.
Num mundo com valores atrofiados,
E tratamentos ironizados.

Afinal,
O que um ser,errante,tosco,
Semelhante a mim,
Faz aqui?

Só pra eu escutar,ler,
O quanto é difícil me entender?
Bananas!Bananas pra vocês!
Que não entendem patavinas do meu ser.

Eu procuro fazer meus jardins,
Cuido da flor,
E ela quando cresce...
...Você enche de cimento,
Meu pobre jardim?

Importo-me com o básico,
Pois o básico..
...será a base do meu matrimônio.
Balela!Que matrimônio?
Se ao menos chego a um...
‘Quer namorar comigo’ do programa Silvio Santos?

Recomeçando devagar.
Importo-me com o mínimo,
Pois o mínimo,
Desperta o máximo sentimento de...
...valorizar de fato outrem.

Valorizar,é...
Não conheço essa palavra.
Sim,caro leitor,você achará que é drama.
E daí?O resultado é o mesmo.
Estou só.

Não me venham com pormenores,
De estar só porque quer.
Afinal,o querer,é algo que eu busco,
Mas foge das minhas mãos,
Como grãos de areia.

Acredito na chegada da dita cuja,
Que me entenderá pelo resto da vida,
Mas,será que ainda terei,
Muito tempo de vida?

Enfim,
No jardim que eu cultivei,
Você não  viu motivo,
Asfaltou meu ser,
Asfaltou minhas rosas e espinhos.

Fica apenas,
O chão frio de um desolado quase-amor.

sábado, 23 de junho de 2012

Ei!







O que eu faço eim?
Quer que eu coloque minhas lágrimas num copo,
E leve até você?

Não estou mal.
Não estou bem,
Estou sem você,
O que é preciso perceber?

Sei lá,talvez um bom porre,
Uma boa loucura,
Um rivotril,
E então você me procura?

Ei,ei ei!!!
Você não nota?
Minhas ligações tolas?
Minha felicidade ao te ver sorrir?

Como diz você,
Sou desses,
Sou desses que quer ser único na sua vida.
Mas você não está.
Não está nas cartas,nos telefonemas,nas frases, em nada.

Talvez enquanto eu escrevo,
Beijam seus beijos.
E eu aqui.

Nunca pensei que saudade fosse predicado,
Com você sendo o objeto direto,
E todo o meu ser o sujeito.

Nunca pensei,
Em estar assim por alguém,
Por você,
Quem eu escolhi.
No meio de tantas faces.

E então sigo te procurando, te buscando...
-Ei,é você aqui em frente de casa?
Desculpa, foi só miragem.
Ilusões de um jovem apaixonado.

Faz assim,
Liga pra mim por engano,
Pergunta o preço do pão francês,
Achando ser de uma padaria,
Só pra eu ouvir sua voz.

Ei...cuida de mim?!

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Julieta,minha lua!



Você,
Bela,Cabelos pretos longos,
Que ao estudar,
Seus óculos de grau escondem
Seu charme imortal.

Deixa eu perguntar uma coisa?
Achas bonito a história de Romeu e Julieta?
Achas lindo o amor dos dois?

Então pense,reflita,e seja forte.
Forte pra pegar seu Romeu pela mão.
Ele é cego,não sabe por onde ir...
...O que fazer e o que falar.

Não precisa você ter um corpo escultural,
Não precisa você falar várias línguas,
A não ser a dos anjos.

Se teu Romeu tem medo,
Abrace.
Não importa se seu Romeu tem,27,37,47...
E mesmo você sendo apenas uma quase adulta,
Ainda adolescente,
Tenha em mente,
Que com a força de Deus,
Me terá  inconscientemente.

Pequena menina,
Grande mulher,
Humildemente,tenha paciência.
Teu Romeu é cético.
Teu Romeu só conhece o amor em versos.

Seja a própria poesia,
Que ele e Deus serão os escritores dos seus versos.
Ajude o apaixonado,a chegar até você.

Sejas fiel,consciente,
Espere o momento certo,
De ser verdadeira o suficiente,
Pra viver essa linda História.
Claro,com um final abençoado e diferente.

Seja a Minha Julieta,
Pois eu já sou o seu Romeu.
Estou aqui,à sua espera.

Acredite,Não sou nenhum anônimo.
Sou eu,ensinando a você,
A chegar até mim.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Eu tenho um plano



E meu plano é:
Bem,eu sei que tenho um plano,
Um plano pra você,um plano pra nós.

Começa assim,
Eu chego,falo,
E,começo,
De uma maneira que ainda não sei,
Mas eu começo.

Eu nunca tinha pensado em fazer isso.
Em fazer exatamente esse plano que eu não sei seu andamento.
Só sei que está tudo planejado.

E meu plano continua,
Continua... É,
Bem planejado.

E os resultados do que eu fiz,
Que eu não tenho certeza como fazer,
Será absurdamente planejado,
Como eu venho planejando,
Sem entender esse plano.

Ah,
Vou falar sobre o plano.
Então,eu faço...
E então...
E depois...


Você entendeu?
Não?
Então no altar eu te conto,
Formosa.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Vives?




Eu até acredito,
No impossível,
E num caloroso abraço
Do galho de uma árvore.

Com o mar que entro pra surfar,
Que me molha, me aquece, me esfria.
E as pedras estáticas no chão,
A perguntarem por que não me mecho.

Medo ,ou coragem em excesso,
Que carrego comigo nos dias que passam,
Onde mortos em sepulturas me dizem sim,
E estátuas me dizem não.

Então resolvo partir,
E me jogar do mais alto precipício.
Não que eu vá morrer,
Pois já faço isso todos os dias.

E você que está lendo?
Vive ou acha que vive?

terça-feira, 22 de maio de 2012

Estou acompanhado.



Ela...
Fascina pela sua dedicação,
Autenticidade,Fidelidade,
Amizade.

Nos momentos ruins,
Abraça-me,
Nos bons,
Observa meu sorriso,
Com vigorosa alegria.

Proporciona meus melhores momentos,
De luar,a me iluminar,
No sol a me aquecer,
Na chuva pra me molhar,
Até o amanhecer.

Ela...
Que acredita no que eu falo,
Sem duvidar,
Sem questionar,
Sem desdenhar.

Na saúde,na doença,
Sei que posso contar com teu apoio,
Minha amada,
Que me prometeu estar enquanto eu respirar.

Continue a não me deixar,
Pois não confio na desconfiança,
Das mortais que querem te tirar,
O direito de me acompanhar.

E nesses versos,
Com papéis borrados de lágrimas,
Expresso-me com dignidade,
À você, Solidão.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Fica bem,que eu estou também!





Você não acreditou,
Quando eu falei que mudei,
Que não sou mais o mesmo,
Que me reinventei.

Não quis me telefonar,
Pois todos os homens são iguais,
Mas afinal,
Você conheceu  todos?

Evitastes um encontro,
Preferiu não me chamar ao cinema,
Ir à praia só com as amigas,
E evitar um “cafajeste” na sua sina.

Mas o tempo passou,
Tudo que você achava,
Redondamente se enganou.

 Olha,
Sinceramente, estou feliz,
Talvez pra você,
Eu seja um cachorrinho sorridente
Então...

Meus pêsames,
Quer ser minha amiga, apenas?
Pois,
Meu amor,
Não chegará como você chegou.

Deus me conhece,
E uma mulher de Deus,
Confia no que eu tenho a oferecer.

Não se lamente,
Um dia você consegue...
...Outro.

Passar bem.

domingo, 13 de maio de 2012

Luzes que guiam.



Vi-te com os olhos amarelos,
Refletindo a cor da camisa que eu usava,
Como se você conseguisse ver uma so pessoa,
Fixamente,
Em meio a milhões.

No meu lugar,
Encontrava-me parado,
Observando uma linda moça,
Sentar delicadamente ao meu lado.

Major Minus me falava,
Que amar,é como servir  á pátria,
É dar a vida se for preciso,
E sempre será preciso fazer pelo que se ama.

No paraíso de qualquer encontro,
Tendo alguém especial,
Uma simples parada de ônibus,
É marcante mesmo depois de anos.

Às vezes até me sinto perdido!
Mas lembro que sua respiração,
É o cheiro em um labirinto,
Para eu não me sentir mais aflito.

E se você se afasta,
Numa colina violenta,
Sinto-me despencar,
Sem seus braços fartos.

Entretanto,
Deus colocou um sorriso em seu rosto,
Que me lança no ar,
Como um pára-quedas,
Pára-dor.

Sabemos que na vida,
Pessoas adoecem,e podem partir.
Espero daqui pra lá,
Ser um grande cientista,
Para tuas doenças te curar.

Talvez,juntos iremos desagradar ás pessoas,
Mas...
Somos nós contra o mundo.
Abençoados por Deus e isso basta.

Talvez se fugirmos para longe dessas pessoas,
Longe de uma política de "boa" vizinhança,
E amizades insanas,
Estaremos mais em paz.

Meu jardim,
Ficar tranquilos.
Não se incomode com o que dizem,
Vem comigo,
Viva La vida.

Talvez até aprendêssemos um pouco,
Com o Charlie Brown.
Ele tem amizades mais fiéis.
Estritamente fiéis.

Vamos nos tranqüilizar.
A vida é pra ser vivida,
De preferência,
Aqui deitada na rede comigo.

E nesse tempo,
Relógios,
Feitos pro tempo  passar,
Não param,
Com os pesares ou com o pesar.

Finalmente sei,
Que nem tudo na vida,
Saí como eu gostaria.
E se você,meu cristal,
Quebrar,
Estarei aqui,
Pra tentar,
Consertar você.
Lights will guide you home.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Sentado no último banco da igreja


Sentei,e vislumbrei.
Familiares,rostos conhecidos.
E no meu rosto,
Lágrimas deveras conhecidas.

Você,com seu lindo véu e grinalda...
Exatamente,
Como eu desejei,sonhei...
E idealizei.

O seu noivo,
Não é o mesmo sentado...
...No ultimo banco da igreja.
Talvez fosse um pesadelo?

Triste devaneio,
Em saber que não era um filme,
Ou novela,era real.É real.
A dor é real.

O padre no aguardo do seu sim,
O noivo no aguardo do seu sim,
Todos no aguardo do seu sim,
Apenas eu na espera angustiante,
De um não que não veio.

‘Fale agora ou cale-se para sempre.’
Mas minha boca não abria,
E meu coração sangrava.

E o seu sim veio,
Acompanhado da ultima onda que surfei,
Semelhante a uma guilhotina pra mim,
E com amor,ali morri.

E minhas últimas palavras foram:
‘Eu tive a minha chance.’
E não existe no mundo,
Versos que completem essa estrofe dilacerante.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

A lua do meio-dia





Feche as mãos,
Feche os olhos,
Dobre os joelhos,
E reze.

Quando tudo fica difícil,
São nossas preces,
Para tirar todo o peso
E nos deixar leves.

Faz assim:
Um humilde passo de cada vez.
E em cada vez,
Nunca deixar de tentar,
Outra vez.

Pare,pense,olhe e escute.
O trem da vida está aí...
Cuidado para ele não passar por cima.

Então segure sempre na mão amiga,
Deus pode te surpreender,
E te dar a lua,
Em pleno meio-dia.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Retalhos sorridentes


Com qual frase começar?
Qual verso usar?
Ou simplesmente devo contar  outra piada?

E assim,meus sorrisos,
Tentam encobrir minhas dores,
Minha alegria,
Tenta sucumbir meus desejos não realizados.

E talvez digam:
Reze,espere.
O trovador reza,espera,mas também sofre.

O espetáculo da vida não pára.
Mais pessoas precisarão sorrir,
E eu preciso estar lá,
Com minhas brincadeiras e meu jeito.

Se uma lágrima cair,
Vou dizer,
Que foi de tanto eu rir.

Nada que uma boa máscara,
Um nariz de palhaço,
Uma boa maquiagem,
E tudo se resolve.

É amiga Vívian,
Acredito que ao ler,
Você teça algum comentário.
Mas dessa vez,
O seu ombro vale mais do que suas palavras.

Todo dia,
É dia de ser feliz,
Mas algumas noites,
Meus sorrisos são meros fantoches.

A marionete da vida,
Para quem tenta saber viver,
É uma maneira da vida escrever,
Com frases e sorrisos.

É Continuar...
E,rir.


sexta-feira, 27 de abril de 2012

De pouquinho em pouquinho.


Cheguei,
Trouxe meu sorriso,
E fiz você sorrir,
De pouquinho em pouquinho.


Encontrei seu coração,
Bastante arredio,amedrontado
Calmamente fui acalmando ele,
De pouquinho em pouquinho.


O seu jardim,
Tinha flores mal cuidadas.
Cultivei,reguei,
Perseverei,
De pouquinho em pouquinho.


Te achei sem fé,
Sem esperança,desmotivada.
Fiz você acreditar em si mesma,
De pouquinho em pouquinho.


Na verdade,
O pouco que se tem,
Com Deus é muito.


E,
Diariamente,
Longe ou perto,
Te conquistarei,
De pouquinho em pouquinho.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Coração intocado



Eu  espero pelo momento certo,
O momento certo me espera.

Sonho no dia que meu olhar realmente brilhar,
E o brilho desse olhar será meu mais bonito sonho.

No passado,foi inutilmente conquistado,
Uma conquista inútil que se repetiu “n” vezes no meu passado.

Antes de chegar na minha ilha,
Barcos afundaram.
Afundaram pobres barcos,
Em uma ilha nunca antes habitada.

Tu chegas,na tentativa de conhecer,
Acha diferente,estranho, confuso.
Então ficas confusa,sentes indiferença,
E conheces um mundo diferente,
Na tua chegada.

Talvez teu barco também afunde,
E eu não sei muito do futuro.
O futuro até tento não saber muito,
E também me afundo nos seus talvez.

Meus segredos indecifráveis,
Quando forem descobertos,
Não haverá saída,
A não ser irmos ao altar.

E no altar,
Apenas uma saída para felicidade,
A Descoberta  por uma espera,
Indecifrável.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Deus,você e a poesia.





Você sorri,
Pra esconder uma lágrima,
De um desejo contido,
Ou de uma alegria sofrida.

Você não lê a bíblia,
Pois pra ti é completamente desnecessário...
Para a sua vida.

E você diz:Falta algo.

Você se relaciona,
Beija,”faz amor”,
E não satisfeito,
Mas decide tudo acabar.

Então você diz:Falta algo,
Sinto um vazio.

Você se diverte,
Bebe, dança,
Dança, bebe,
Paquera,flerta,
Volta pra casa.

E então você diz:Falta algo
Sinto um vazio,
Nada me faz feliz.

O tempo passa,
Sentimentos passam,
Mas a  uva não passa,
Pois estas estão no chão.
No chão pisadas pelas pessoas que se foram.

E então você diz:Falta algo.
Sinto um vazio.
Nada me faz realmente feliz.
E quem confiarei minha vida?

Hoje,
Você decide ler a bíblia,
Ir e sentir a missa,
Aparecendo o real sentido de tudo.

Então você chora,
Por faltar algo,
E sorri,
Pois você já sabe em quem confiar.

Finalmente você diz...
Que nada falta.
Sente-se preenchido,
Estás feliz,
Pois confia toda sua vida,
Por quem morreu na cruz,
Nosso senhor,Jesus.

E então me perguntas...
Repetes tanto o nome "você"...
Não seria anti-poético?
Talvez,se você entender,
Que você pra Deus,
É a própria poesia.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

E tudo dará certo,amém.



Ah Deus,
Que vontade de escrever,
Milhões de interjeições,
Em trilhões de versos...

Ocasiões, razões,
Desilusões, aumentadas pela pobre compreensão,
De um trovador mais pobre ainda.

O entendimento não é para muitos,
Nem para poucos,
Mas para os que tem fé.

E então me silencio.

Minhas palavras,
São por muitas vezes,
Armas brancas do mal,
Julgamentos insanos,levianos,
E uma infinidade de mágoas!
Talvez tão desnecessárias quanto essas estrofes. (Talvez)

E eis eu aqui de joelhos,
Com meu lápis e caneta,
Sem nenhuma certeza.

Um romântico apaixonado,
Lutador,cheio de ideais,
Com rachadas idéias.
Revoltado,desolado,
Incompreendido.

Deus,meu Deus.
Cala-me.
Silencia-me.
Escuta-me.
Corrija-me.

Que ela,elas,a humanidade,
Perceba,que o silêncio se faz presente,
No momento que grito o teu nome senhor,
Em oração,
Com todas as minhas forças.

Às vezes,
Ir embora não significa fugir.

É importante
Entrar no tempo divino,
Carregar minha própria cruz...
...Em lágrimas,
Que jorram nas águas do mar morto.


E muitos céticos,
Dirão que é em vão,
Se isolar.

E eu digo não.
Deus apenas me ajuda,
À abrir portas.
Outras portas,
Que outrora sequer existiam.

Não sinto dor,
Acredite.
Sinto paz.
Meu silêncio,
É dever cumprido,
E se você não compreender,
Ao menos me conceda seu adeus.

Meu sorriso continuará o mesmo,
Na lembrança de cada um de quem eu realmente sou,
Existente em cada piada disfarçada,
E em Uma frase solta,engraçada e significativa.

“Não esquente a cabeça não,vai dar tudo certo”
De tanto falar,
Deus  isso me diz,
E assim será.